Pesquisar no blog

domingo, 24 de julho de 2016

SOCIEDADE ÒGBÓNI
A sociedade Ògbóni se dedica a praticar um dos cultos mais antigos, baseado na preservação  de Onilè (Terra).  Para os Yorubá a terra é sagrada porque foi a primeira coisa que Olódùmarè criou, por isso os Ògbóni ensinam nesse culto como tratar a Terra (Onilé), e a melhor maneira de melhorar a sua produção, respeitando o seu poder.
Simbolizando a terra há um buraco com aproximadamente 15 cm de diâmetro , no canto dos templos de Ogbóni , que dizem não ter fundo.  Durante as oferendas anuais, quantidades de oferendas ali são depositadas e desaparecem imediatamente.
A Sociedade Secreta Ògbóni é encontrada em terras Yorubá, e sustentada pela tradição de ter surgido nos primórdios de Ilé Ifè. 
Outra atividade dessa sociedade é a de detectar as ofensas feitas aos ìmòle , para logo penalizar rigorosamente  os culpados. 
Na cultura Yorubá, o caráter do homem é de importância suprema.  O bem-estar do homem aqui na terra depende de seu caráter. 
Moralidade é resumida pela palavra Iwa que pode ser traduzida na palavra "caráter".  É dado ênfase ao fato de que caráter bom deve ser a característica dominante da vida de uma pessoa.  Quando um Yorubá fala de alguém, "Ele fala da forma de agir da pessoa".
Por esse motivo, o primordial para a Sociedade Secreta Ògbóni, é o Caráter reto.

De acordo com o odú Ogbè-Ògúndá, Òrúnmìlá buscou os meios de sucesso na vida e lhe foi dito que a única forma de conseguir, era se casando com Iwa.  Ele se casou com Iwa e ficou muito próspero. Conseqüentemente todos tem buscado, desde então, Iwa para o sucesso. 

Segundo um itan do Odù Irosun-Iwori, num antigo período da história da humanidade, esta vivia em total anarquia, promovendo sucessivos incidentes de roubos, assassinatos e violações de toda ordem de abuso aos códigos éticos ditados pelos ancestrais.  Alguns habitantes pediram a interferência de Òrúnmìlá, para que colocasse um paradeiro naquela situação alarmante. Òrúnmìlá ordenou que se realizassem sacrifícios, e aqueles que cumpriram as instruções de Ifá prosperaram em segurança.  Depois disso, Òrúnmìlá retirou-se aos céus, entregando a Edan a responsabilidade sobre a Terra.  Edan firmou um pacto e, aqueles que juraram mantê-lo, poderiam viver em paz, harmonia, justiça e prosperidade.
" Edan  máà  jékí  ohun  búrurú kankan dé òdòmi"
"Edan não permita que coisas ruins se aproximem de mim".
Após longo tempo de permanência na Terra, Edan retornou aos céus, delegando a um grupo de pessoas responsáveis, a tarefa de supervisionar e fazer cumprir as leis estabelecidas. Este grupo se uniu em fraternidade, tornando-se a conhecida Sociedade Secreta Ògbóni.
Ainda hoje, Ògbóni mantém ritual iniciativo baseado num pacto que estabelece e faz cumprir o seu elevado código ético, zelando pelo bom caráter, justiça, verdade, lealdade e proteção.
Com o objetivo de promover a harmonia com a natureza, Ògbóni venera Onilé, simbolizada pelo òrìşá Edan.  Daí resulta que todo aquele que transgredir o pacto estabelecido pela Lei de Ògbóni, deverá, incondicionalmente, prestar contas à Edan, a própria Terra.
Como a justiça de Ògbóni é firmada com a própria Terra, Onilé detém a prioridade em todos os ritos.
Graças a seu poder espiritual, os Ògbóni podem alcançar posições em nível sociais e políticos.  O chefe do culto de Ògbóni é um iniciado que atinge o grau de Oluwo (senhor do sagrado/segredo) e é portador do shaki, uma estola que o distingue como detentor de honra e respeito.
Há um pequeno grupo de mulheres que fazem parte da Sociedade, e recebem o cargo de Erelú, elas representam os interesses das mulheres da cidade nas reuniões.
Pode-se dizer, em síntese, que a sociedade Ògbóni cultua o "espírito da Terra" (Onilé), para assegurar a sobrevivência humana, a paz, a felicidade, a estabilidade social da comunidade, a prosperidade e a longevidade.
Segundo a tradição, "a Terra existiu antes das Divindades.  A Terra é a mãe a quem os mortos retornam.  A Terra e os ancestrais, são as fontes da lei moral".
A sociedade Ògbóni, é uma instituição com funções religiosas, judiciais e políticas.  Ela é uma espécie de assembléia de anciões da cidade, unidos ritualmente, que regem um importante culto estruturado a partir da cosmogonia dos Yorubá. 
Onilé, é tida como a mais poderosa de todos os Orisá, e mãe de todas as deidades Yorubanas.  E os Edan é o elo que une a comunidade a Onilé.



Trabalho de pesquisa:

- Vários autores:
    . Willian Bascon
    . Wande Abimbola
    .  Peter Morton - Williams
    .  Lawal

- Efunlase
- Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia - SP
- Vários sites sobre o assunto.



Visite o nosso SITE:  www.efunlase.com
Contato : E.U.A. 0021 1 305 998-9214  (WhatsApp)
                 Brasil (21) 9971-33777


2 comentários:

  1. Mo juba Erelu Osun Funkè, Aboru, Aboye Iyanifa.
    Perfeito e didático, como sempre.
    Que o Espirito da Terra lhe proteja sempre e que a palavra VERDADE seja preservada para sempre.
    Otito, Epá Odù. Epá Orisá.

    MO juba Ìyá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ki Gba Àse ! Agbo Ato !
      Ase !
      A Verdade sempre acompanha aquele, o qual, o caráter reto faz parte dessa caminha sobre a Terra (Onilé).
      Mojubá Àgbonìrègún !

      Excluir