Pesquisar no blog

domingo, 17 de janeiro de 2016

YEMOJÁ


Yemoja, deriva de Yeye oman ejá - Mãe cujos filhos são peixes!
Na África, Yemoja é a deusa do povo Egbá, que outrora habitava a região situada na bacia do rio Oshun, onde ainda existe o rio Yemoja, por causa das guerras, os Egbá foram obrigados a migrar para Abeokutá.  Lá, Yemoja ganhou nova morada e passou a ser cultuada nas margens do rio Ògùn (não confundir com o òrìsà Ogún).  
Seu templo se localiza na região de Ibara, em Abeokutá.  Em seus festejos anuais, a água é retirada do rio Ògùn em potes sagrados, numa grande procissão de fiéis que enchem as ruas da cidade, com cânticos e tambores.
Yemoja é uma divindade de rio, mas tornou-se associada aos mares, após ter ido definitivamente viver com Olokun, no fundo dos oceanos.  É também no ponto de encontro do rio com o mar, nessas águas revoltas, doces e salgadas, que vive Yemoja.  
Também tem seus domínios nas profundezas das águas, de onde emerge para atender seus filhos, principalmente as mulheres.  É o instinto maternal, sempre pronta para amamentar as crianças sob seu domínio, é personificada como mulher com fartos seios que nutrem o mundo. 
Sabe ser delicada, mas mantém-se de espada em punho para defender seus filhos. 

Mãe dos peixes, Deusa dos Oceanos, a grande mãe, que defende seus filhos e sua família.  Decidida e impetuosa, ela vai até o fim em seus objetivos.  Ela é a suave espuma branca da praia, mas também é o Tsunami que passa por cima de tudo, limpando e exterminando.
É a que cuida e abraça seus filhos, mas é exigente e coloca ordem.  Nada foge aos olhos de Yemoja, ela coloca tudo na areia, para que seja visto e resolvido.
É também a protetora das famílias, aquela que faz com que vivam em paz.  Regente absoluta dos lares, é ela que ampara a cabeça dos bebês no momento de nascimento.

A deusa do mar e da lua, ela é o arquétipo de mãe.  Como a que dá vida e sustenta a Terra, ela é extremamente generosa e provedora de riquezas.  É a energia criando tudo e todos.  Mas como o oceano, quando ela está revolta, pode ser implacável.  Por isso, ela representa a mãe que dá amor, mas não dá o poder.  Yemoja também é a dona do subconsciente coletivo e da sabedoria antiga, é a guardiã dos segredos que estão escondidos no fundo do mar.  
Yemoja assumiu, o domínio dos mares junto com Olokun, em cujo movimento hora calmo, hora agitado e revolto, tem representada a sua personalidade inconstante.
Para os Yorubá, Yemoja ou Yemowo (como também é chamada), forma com Obàtálá, o primeiro casal divino.

Conta um Itan, que:
"Quando Yemoja veio do òrun (céu), para o àiyé (terra), ao chegar descobriu que cada òrìsà já tinha seu domínio na terra dos homens, e nada havia sobrado para ela. Queixou-se a Olódùmarè, que disse a ela ser seu dever cuidar da casa de seu marido Obàtálá, de sua comida, de sua roupa, de seus filhos.  Yemoja se revoltou.  Ela não tinha vindo do òrun para o àiyé para ser dona de casa e doméstica.  E tanto falou, tanto reclamou, que Obàtálá foi ficando perturbado, até que finalmente enlouqueceu.  Ao ver seu marido neste estado, Yemoja pensou na atitude que Olódùmarè iria ter com ela quando chegasse do òrun, e procurou os melhores frutos, o óleo mais claro e encorpado, o peixe mais fresco, o iyan (inhame) mais bem pilado, um arroz bem branco, os maiores pombos brancos, o obì mais novo, o melhor atare, ekuru acabado de cozinhar, orí muito bom, os igbin mais claros, orogbô macio, água muito fria, e com isso tratou a cabeça de Obàtálá.  Ele foi melhorando com os ebós, e um dia ficou completamente curado.  Olódùmarè chegou do òrun e foi visitar Obàtálá.  Falou à Yemoja que havia visto tudo o que acontecera, e deu-lhe os parabéns por ter curado tão bem a cabeça de seu marido. Dali para a frente, Yemoja iria ajudar os homens que fizessem más escolhas de orí, a melhorar suas cabeças, com uma oferenda determinada pelo oráculo ifá, através do ritual de bori ".
Dona de todos os Orí, por esse motivo é sempre invocada nos rituais de Bori.  Ela nos dá a lucidez de nossas ações, mas também pode nos levar para as profundezas obscuras do nosso Orí.
Yemoja é a senhora da individualidade, e por essa razão está diretamente ligada ao Orí. 

Yemoja e Olokun, duas poderosas forças espirituais.  A majestade dos mares, senhora dos oceanos, Yemoja é a rainha das águas salgadas, suas águas abrigam um mundo fértil, e sustenta vidas ainda desconhecidas, e provê o alimento dos povos desde o surgimento dos mares neste planeta.  Olokun, é todo o mistério dos oceanos, das profundezas.  É o poder das marés. Representa o que o homem não consegue atingir. É a força desconhecida e incontrolável dos mares.  É a magia do desconhecido e senhor da riqueza.
Olokun de caráter compulsivo, misterioso e violento, é assustador quando irritado, mas tem a capacidade de transformar.  Na natureza é simbolizado pelo mar profundo, ele é o verdadeiro dono das profundezas, onde ninguém jamais esteve.  Representa os segredos do fundo do mar.  Também representa a saúde mental.  Olokun é um òrìsá perigoso e poderoso no culto Yorubá.

Yemoja trás para os seres humanos experiências e emoções que movimentam a energia necessária para compor o equilíbrio emocional tão importante para a continuidade da vida, superação dos obstáculos e problemas encontrados.

Ela representa o próprio mar, da superfície ao fundo, com toda a sua imensidão e energia, que independente da agitação da superfície, se mantém constante e serena.  Experiente e tranqüila, tem a segurança e a perseverança em cumprir seus objetivos e missão. É defensora inabalável de seus filhos. Yemoja, segue o movimento do mar de forma suave e serena.



Yemanjá
 (Chris Artése)
 
Luar se fez
Um raio prateado
Iluminando o céu
E as espumas do mar
 
Lindo clarão
A beira-mar
Vejo mamãe Yemanjá.
 
Lá vem, lá vem.
Junto com suas sereias
Nos abençoar.
Rainha Yemanjá.
 
Dona das águas
Tu és mãe
Oh! Janaina Odò Ìyà
 
Iluminai
Minhas profundas águas
Para eu decifrar
Mistérios de meu mar
 
Desse meu mar
De emoções
Rainha vem iluminar
 
Yemanjá
Princípio gerador
Amor fundamental
Tão puro e maternal
 
Yemanjá
Vem confortar
Oh! Janaina Odò Ìyà.
 

 

 

 

Trabalho de pesquisa:

Adaptado por Erelú Iyá Òsún Funké, Iyanifá Fun Mi Lolá

(Fatima Gilvaz)

- Vários sites sobre o assunto
- Efunlase

- Carolina Cunha

- Falokun

Visite o nosso SITE:  www.efunlase.com
Contato : E.U.A. 0021 1 305 998-9214  (WhatsApp)
                 Brasil (21) 9971-33777

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário